Mortágua integrado em projecto europeu

Data: 2007-02-02
Fonte:


Estimular a utilização da biomassa no aquecimento de edifícios

Realizou-se no passado dia 30, no Centro de Animação Cultural, um seminário subordinado ao tema "Aquecimento de edifícios a biomassa – Tecnologias e Inovação", no âmbito do projecto europeu ELVA.
O objectivo do Projecto ELVA é estimular o desenvolvimento local da cadeia de fontes de energia renováveis para a produção de calor, nomeadamente o recurso à biomassa, no aquecimento de edifícios.
O projecto tem como modelo um país com larga experiência nesta área, a Áustria, transferindo o “Know-How” desse país para outros países europeus, entre os quais Portugal. Na Áustria existem muitos exemplos de urbanizações e edifícios públicos que utilizam a biomassa no aquecimento, garantindo a sua auto-sustentabilidade energética.
O concelho de Mortágua foi escolhido como experiência-piloto para a implementação desse modelo a nível nacional, demonstrando a possibilidade de sustentabilidade energética do concelho de Mortágua tendo por base as energias renováveis. A escolha de Mortágua está relacionada com as potencialidades aqui existentes em termos de valorização da biomassa para fins energéticos. O concelho possui nomeadamente uma mancha florestal que cobre 85% do seu território e uma experiência consolidada na recolha e transformação da biomassa florestal. Além de que, no concelho de Mortágua, produzem-se actualmente três tipos de energias renováveis. Primeiro foi a hidroeléctrica, com a construção da Barragem da Aguieira em 1981. Em 1999 entrou em funcionamento a Central Termoeléctrica de Mortágua, a primeira do género a nível nacional a produzir electricidade com recurso a biomassa florestal. A Central tem uma potência de 9 MW e uma capacidade de escoamento de cerca de 80.000 toneladas/ano resíduos florestais, provenientes de 28 concelhos da Região Centro. Foi projectada para entregar à rede de distribuição de energia eléctrica cerca de 60 GWh por ano, permitindo abastecer uma população na ordem dos 35 mil habitantes. Finalmente no início deste ano passou a contar também com a energia eólica, com a entrada em funcionamento do Parque Eólico do Alto do Monção, com uma potência instalada de 32 MW.
O concelho de Mortágua poderá, assim, ser mais uma vez pioneiro num projecto-piloto na área das energias renováveis. O projecto associa parceiros de oito países europeus (Áustria, Noruega, Irlanda, Reino Unido, Escócia, Portugal, Eslovénia e Grécia). Os parceiros nacionais são o Centro da Biomassa para a Energia, a Bioléctrica e o Município de Mortágua.
De acordo com os intervenientes, o nosso País tem um enorme potencial para adoptar o modelo de gestão energética seguido naqueles países do norte da Europa, valorizando um recurso endógeno (a biomassa) que existe em abundância, com vantagens económicas, sociais e ambientais. Permite reduzir a nossa dependência energética exterior e consequentemente a factura a pagar. Pode constituir um factor de desenvolvimento das economias locais e de criação de emprego. A utilização da biomassa apresenta também vantagens para o consumidor, como custos operacionais mais baixos relativamente ao gás natural, electricidade e fueóleo. Do ponto de vista ambiental, estas energias renováveis têm emissões de dióxido de carbono praticamente nulas e no caso concreto da biomassa florestal contribui para reduzir a carga de combustível existente na floresta e consequentemente o risco de incêndios florestais.









Este artigo veio de www.cm-mortagua.pt
https://www.cm-mortagua.pt