Projeto ClimAgir da CIM-Região de Coimbra. Alunos plantaram sobreiros no Parque Industrial.

Data: 2019-01-30
Fonte: Câmara Municipal de Mortágua


 

Durante esta semana, o projeto “ClimAgir”, promovido pela Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC) está a visitar os estabelecimentos de ensino do Agrupamento de Escolas de Mortágua com o objetivo de sensibilizar os alunos para os impactos das alterações climáticas, e ao mesmo tempo, promover a floresta autóctone.

Foram realizadas ações de sensibilização nas escolas dos vários níveis de ensino (1º, 2º, 3º Ciclo e Secundário), alertando e sensibilizando os alunos para a temática das alterações climáticas e como as mesmas estão já a ter consequências devastadoras na economia, no nosso modo de vida, sendo disso exemplos os incêndios de 2017 e o furação Leslie em 2018.

Os alunos foram sensibilizados para fenómenos climáticos extremos que já ocorrem hoje, no nosso país e em particular na nossa região, e que tenderão a ser cada vez mais frequentes. O nosso país encontra-se entre os países europeus com maior vulnerabilidade aos impactos das alterações climáticas. Daí a importância de adaptarmos as nossas escolhas e ações, ajudando a travar ou pelo menos a mitigar os impactos negativos. Sendo uma responsabilidade coletiva, é também (deve ser) uma responsabilidade e um compromisso individual, cabendo a cada cidadão dar o seu contributo para termos um Planeta sustentável. A começar pela tomada de consciência do problema e o passar da mensagem, e sobretudo pela adoção concreta e efetiva de comportamentos (boas práticas), como a redução da utilização de plástico, a reciclagem, a poupança de energia e água, mais utilização de transporte público, entre outros exemplos.

A atividade no contexto escolar envolveu ainda um jogo didático, tipo quizz, em que os alunos, em grupo, tinham de responder a questões tratadas na exposição do tema.

Além destas ações de sensibilização, o Projeto procedeu à entrega de sobreiros aos alunos do 4º e 5º anos, para levarem para casa e plantarem no seu quintal ou noutro local adequado. As turmas do 7º, 8º e 9º ano receberam também sobreiros (uma árvore por cada turma), os quais foram plantados na zona envolvente dos edifícios escolares. Por sua vez, os alunos do 10º ano foram convidados a plantar sobreiros nos taludes do Parque Industrial. Além da função paisagística, estas árvores irão também constituir, quando atingirem a maturidade, uma cintura de proteção às próprias empresas, sendo conhecida a resiliência ao fogo destas árvores.

O projeto ClimAgir quer sensibilizar as populações dos 19 municípios da CIM-RC para as alterações climáticas e os seus impactos, tendo um enfoque especial na comunidade escolar, visitando as escolas e promovendo diversas atividades didáticas, através de vídeos, jogos e livros, que pretendem divulgar e promover boas práticas ecológicas e ambientais. Uma das novidades do projeto é a App “ClimAgir”, através da qual é possível acompanhar a viagem do “Bolotas”, a mascote do projeto, aplicar os conhecimentos através de jogos didáticos e quizz, acompanhar os dados e avisos meteorológicos para a Região, entre outras funcionalidades.

Este projeto, que é financiado pelo POSEUR, Portugal2020 e Fundo de Coesão, nasceu na sequência do Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas, elaborado pela CIM-Região de Coimbra e pela Universidade de Coimbra. Este documento inovador contempla o conhecimento das especificidades sectoriais do território da CIM-RC, a avaliação da sua vulnerabilidade atual e futura às alterações climáticas e a identificação, definição e priorização de medidas de adaptação específicas para o território. No estudo são abordados os possíveis impactos em diversas atividades, como a Agricultura, Alimentação, Floresta, Biodiversidade, Recursos Hídricos, Estuários e Zonas Costeiras, Infraestruturas e Energia, Turismo e Saúde Humana.

O nome dado ao projeto - ClimAgir -, não é casual ou indiferente. Transmite uma mensagem clara, objetiva e incisiva: é preciso agir enquanto há tempo, porque caso nada se faça, muitos efeitos já serão irreversíveis, e as próximas gerações irão pagar uma fatura pesada. É preciso pensar globalmente, porque este é um problema planetário, e agir localmente.

 

 









Este artigo veio de www.cm-mortagua.pt
https://www.cm-mortagua.pt