Exposição no Centro de Animação Cultural recorda antiga aldeia da Breda e as suas gentes

Data: 2015-05-19
Fonte: Câmara Municipal de Mortágua


Integrada na comemoração do Dia do Município, foi inaugurada no passado dia 14 a exposição intitulada “35 anos sobre o desaparecimento da Aldeia da Breda”, que recorda aquela pequena aldeia situada nas proximidades do rio Criz, a única aldeia do concelho sacrificada a favor da construção da barragem da Aguieira, tendo ficado totalmente submersa em 1980, pelas águas da albufeira.

Através das imagens expostas é possível enquadrar a localização da aldeia, situada sob a ponte de caminho de ferro construída por Gustavo Eiffel entre 1880 e 1881 e que era conhecida como Ponte da Breda. A aldeia era atravessada pela Linha da Beira Alta e também servida pela Estrada Nacional 234 que nessa época passava no centro da Vila de Mortágua. A exposição dá também a conhecer as famílias que lá viveram, as suas vivências. A aldeia tinha 19 casas e 66 moradores, muitos dos quais eram ferroviários.  

Quando as águas da albufeira estão na sua cota mais baixa e possível observar as ruínas de algumas casas , muros e caminhos.

O Presidente da Câmara referiu, na Sessão Solene, que esta exposição era uma forma de “homenagear as gentes daquela aldeia que há 35 anos sacrificaram as suas vivências culturais e sociais, as suas raízes familiares, a sua identidade como povo, em nome do progresso e do interesse geral”.

Referiu ainda que “os antigos habitantes da Breda nunca esqueceram a terra que os viu nascer e crescer”, sendo disso exemplo os convívios que desde há 28 anos, consecutivamente, realizam naquele local, no mês de agosto.

Para além da componente fotográfica e documental, a exposição integra testemunhos gravados de antigos moradores, sendo um importante registo que ficará para “memória futura”.

Mas falar da Breda é indissociável da construção da Barragem da Aguieira, devido à sua relação de causa e efeito. Por isso, esta exposição é complementada com imagens e um filme sobre a construção deste empreendimento hidroeléctrico que transformou por completo a paisagem do concelho e da região e teve enormes impactos económicos, sociais e ambientais. Este ano comemora-se o Ano Internacional da Luz, sendo mais um motivo a justificar a escolha desta temática. A Barragem tinha entre os seus vários fins a produção de energia eléctrica, curiosamente um melhoramento que a aldeia da Breda nunca chegou a ver.

Muitos mortaguenses que conheceram aquela aldeia ribeirinha vão certamente sentir alguma emoção ao rever os locais e habitantes da aldeia, mas de uma forma especial os seus ex-habitantes, que ali nasceram e cresceram. .

A Exposição pode ser visitada até 7 de junho, no seguinte horário: dias úteis, entre as 9h30-12h30 e 14h00-17h30; sábados das 10h30 às 13h00 e das 20h00 às 21h30; domingos das 20h00 às 21h30.









Este artigo veio de www.cm-mortagua.pt
https://www.cm-mortagua.pt