Grupo de Trabalho para a Análise da Problemática dos Incêndios Florestais, criado no âmbito da Assembleia da República, efetuou visita ao concelho

Data: 2014-03-11
Fonte: Câmara Municipal de Mortágua


A comitiva integrou deputados do PSD, CDS/PP e PS, sendo encabeçada pelo Coordenador do Grupo de Trabalho, e Vice-Presidente da Assembleia da República, Guilherme Silva (PSD). A deslocação ao concelho de Mortágua, realizada no dia 10, inseriu-se numa visita trabalho à região Centro, com o objetivo de constatar no terreno os principais problemas e eventuais soluções para minimizar os efeitos dos fogos.

O Presidente da Câmara Municipal, Eng. José Júlio Norte, e o Comandante Operacional Municipal, Eng. Luís Filipe, acompanharam a visita, que teve início na Central Termoléctrica de Mortágua.

Os Deputados foram recebidos pelo Administrador da Bioelétrica e EDP Produção, Engº Silva Filipe, pelo Chefe da Central, Engº Carlos Ferreira, e outros responsáveis do Grupo EDP Produção.

O Engº Silva Filipe referiu que a Central está a funcionar há cerca de 15 anos, tendo sido a primeira central no país a produzir energia elétrica a partir da biomassa florestal.

A Central valoriza 200 ton./dia de biomassa florestal, injetando mais de 2,5 milhões de euros/ano no setor florestal da Região Centro. Tem uma potência instalada de 9 MW, produzindo energia suficiente para 30 mil habitantes, o equivalente a cidades como Covilhã ou Castelo Branco.

Contribui para a preservação do ambiente evitando a emissão de 29.000 ton. de CO2 por ano e para a redução do risco de incêndio florestal, retirando das matas 110.000 ton. de biomassa por ano. O ano passado a Central produziu 54 GWh de energia, sendo ainda responsável por 28 postos de trabalho diretos e mais de 100 indiretos.

Segundo o Administrador da EDP Produção, a questão do tarifário é um dos obstáculos à expansão e desenvolvimento das novas centrais de biomassa no nosso país, havendo necessidade de encontrar um equilíbrio entre a lógica do investidor e a lógica do interesse do país em possuir centrais que compatibilizam fins energéticos, ambientais e sociais (limpeza das matas, redução da carga combustível, criação de postos de trabalho).

O Eng. Miguel Silveira, da Altri, parceira da EDP Produção em quatro centrais de biomassa, referiu que a Central de Mortágua recebeu 121.000 toneladas de biomassa em 2013, proveniente de um raio de 50 km, sobretudo dos distritos de Viseu, Aveiro e Coimbra.

A poucos metros da Central Termoelétrica estava um outro ponto de visita, a Pellets Power.Durante a visita a esta unidade os Deputados foram acompanhados pelo Eng. Lima Rebelo, sócio maioritário da Gesfinu, holding proprietária da empresa, e pelo Diretor de Produção, Engº Luís Lobo. Esta unidade começou a laborar em abril de 2008, tendo como objetivo a produção de “pellets”, um granulado de madeira altamente densificado, 100% natural e com elevado poder calorífico, fabricado a partir de biomassa florestal, resíduos florestais e subprodutos das indústrias transformadoras de madeira.

Este produto final destina-se na sua quase totalidade para exportação, fornecendo centrais térmicas de produção de eletricidade na Holanda, Bélgica, Alemanha e Inglaterra.

Após a visita a estas duas unidades de produção, realizou-se uma reunião de trabalho na Câmara Municipal. Com apoio a uma visualização em power point, os Deputados tomaram conhecimento do trabalho e investimento municipal que tem sido feito no concelho na defesa e preservação da floresta, tendo sido apresentados alguns números que traduzem essa aposta na floresta: 450 km de rede viária pavimentada por todo o concelho, 1600 km de caminhos florestais, mais de 300 km de caminhos secundários, 409 bocas de incêndios distribuídas pelo território do concelho, cerca de 70 pontos de água, um investimento médio anual em vigilância de 61.300 euros.

Foi também referido o apoio às Juntas de Freguesia e Associações Locais na aquisição e apetrechamento de viaturas de 1ª intervenção contra incêndios.

O Presidente da Câmara congratulou-se. com a presença da representação parlamentar, afirmando que é importante que os Deputados da República venham para o terreno conhecer os problemas reais e concretos dos municípios e das suas populações, e a partir daí possam tomar diligências e fazer propostas que ajudem a solucionar esses mesmos problemas.

Relativamente à questão dos incêndios florestais, que era o principal motivo da visita do grupo de trabalho à região, deu o exemplo do concelho de Mortágua, onde o Município investe fortemente na prevenção há mais de duas décadas, e afirmou que “é um investimento que vale a pena fazer, que compensa, porque pior é quando arde a floresta e se perde tudo”.

Referiu ainda o ordenamento da floresta, a vigilância florestal e a sensibilização da população, nomeadamente o envolvimento dos jovens na defesa da floresta, como outros fatores que contribuem para a preservação da mancha florestal do concelho, sendo a floresta encarada como um bem e um valor por toda a gente.

Afirmou ainda que “as pessoas só investem na floresta se sentirem que têm algum retorno económico”, daí a importância da atividade municipal de valorização da floresta e defesa contra incêndios.

O Coordenador do Grupo de Trabalho, Guilherme Silva, agradeceu a receção e felicitou a Câmara Municipal e o concelho pela forma como tratam a floresta, não só como um bem em si mesmo, mas também como uma fonte de criação de riqueza e emprego.

Os Deputados consideraram que foi uma jornada bastante profícua e anotaram os “bons exemplos” que encontraram em Mortágua.  









Este artigo veio de www.cm-mortagua.pt
https://www.cm-mortagua.pt