Bem vindo ao ao www.cm-mortagua.pt

 Menu

 


 Agenda Municipal

 

Edição de
Outubro 2021


Versão em PDF


Acompanhe o Município
de Mortágua no Facebook

 


 

Conheça as novidades do Mercado Municipal



 Newsletter
Deseja receber notícias de Mortágua no seu endereço de e-mail?

Subscreva a nossa newsletter.

Clique aqui para se inscrever.


Notícia
Índice >  



XIX Encontro de Coros do Orfeão Polifónico de Mortágua

2009-05-07
Fonte: Câmara Municipal de Mortágua

Realizou-se no passado dia 2 (sábado) o XIX Encontro de Coros, organizado pelo Orfeão Polifónico de Mortágua. Para além do grupo anfitrião, estiveram em palco o Coral Polifónico de Alter (Alto Alentejo), Grupo Coral da Assoc. Cultural e Recreativa de Dume (Braga) e Grupo Coral David de Sousa, Figueira da Foz.

A excepção do coro figueirense, que se apresentou pela segunda vez em Mortágua, todos os outros visitaram pela primeira vez o concelho, representando diferentes regiões do País.

Coube ao grupo da casa abrir o espectáculo, sob a regência do Prof. Francisco Neves. Com 27 elementos em palco, o seu programa incluiu temas populares portugueses e brasileiros, destacando-se dois temas da canção coimbrã, “Igreja de Santa Cruz” e “Coimbra é uma lição” e o fado “Foi Deus” que foi composto por Alberto Janes para a voz de Amália Rodrigues.

Seguiu-se no alinhamento o grupo vindo de Alter do Chão, terra do cavalo lusitano. Apresentou um conjunto de 21 elementos, sob a direcção do Maestro Prof. Vítor Miranda. Executou temas populares de vários países e épocas e temas litúrgicos. Alter do Chão é um concelho relativamente pequeno, com cerca de 4 mil habitantes, daí o facto do grupo coral local integrar elementos do concelho vizinho do Crato. Estando próximo de Espanha, são frequentes os intercâmbios com grupos do país vizinho.

O Grupo Coral de Dume (terra de S.Martinho de Dume), sob a direcção artística do Dr. António da Costa Gomes, apresentou-se com 22 coralistas. O repertório consistiu essencialmente em música popular erudizada, tendo alguns temas arranjos do Maestro Manuel Faria, uma figura sonante da nossa música sacra e profana, que deixou uma grande produção musical, desde missas, concertos, sinfonias, sendo no entanto um nome relativamente esquecido.

Finalmente subiu ao palco o Coral David de Sousa, com 38 elementos. Dirigido pelo Maestro Adelino Martins apresentou um repertório constituído por temas de raiz folclórica, clássicos do cinema, como o “Edelweiss” do filme “Música no Coração” e “El Reloj”, de Roberto Cantoral, que sofreram arranjos adequados à sua interpretação por grupos corais.
Deixou bem vincada a sua extraordinária categoria, dispondo de um naipe de vozes femininas muito alargado que lhe dá dimensão vocal e visual. O tema final, a famosa canção napolitana “O Sole Mio”, foi a cereja em cima do bolo, com o público de pé a tributar um demorado aplauso.

Assistiu-se como habitualmente a um agradável serão cultural, com belíssimas vozes, canções eternas e de diferentes géneros musicais, executadas no estilo particular de cada grupo, mas todos eles sublimando a beleza e versatilidade da voz pura e simples.


No final do Encontro e como é da praxe, procedeu-se à entrega de ramos de flores aos Maestros e de lembranças aos grupos convidados. Antes de partirem rumo às suas terras, os coralistas foram brindados com um lanche, no salão superior, que serviu para estreitar laços de amizade e constituiu animado convívio, não faltando as cantigas de despedida.

“O gosto pelo canto, a amizade e a satisfação pelo convívio, são as únicas formas de compensação destes grupos corais”, parafraseando a apresentação de um dos grupos, uma realidade que é comum a todos os grupos corais deste País. A maioria dos coralistas não tem formação musical mas encontrou na música coral o seu espaço de lazer, de encontro, de partilha, de cidadania.

Uma última nota para o público, apenas algumas dezenas de pessoas. O futebol na televisão, a Queima das Fitas, o fim de semana prolongado, com muita gente a ir de férias, terão contribuído para essa fraca adesão, mas não há que desistir, a música coral está viva e recomenda-se.
Lembramos que o Orfeão Polifónico de Mortágua tem a funcionar uma Escola de Canto para todos os interessados, de todas as idades. Não é forçoso que queira entrar no Coro, pode simplesmente querer cantar ou aprender técnica vocal, e as portas estão abertas. As aulas são gratuitas e decorrem uma vez por semana (3ªs feiras).








Direitos de autor reservados
ImprimirImprimir

  Outras notícias
Mundiais de Pista. Ciclista Iúri Leitão sagrou-se Vice-Campeão do Mundo na prova de eliminação.2021-10-25
Primeira reunião do Executivo Camarário2021-10-22
Presidente da Câmara eleito traçou objetivos do programa de governação para os próximos 4 anos: “Fazer mais pelas Pessoas” e construir uma “Melhor Mortágua”.2021-10-19
Bruno Sancho vence em casa e sagra-se novo Campeão Nacional de Maratona XCM, categoria Elites.2021-10-18
Ricardo Pardal tomou posse como presidente da Câmara para o mandato 2021-20252021-10-18
Receção aos alunos da Academia Saber+. Ano letivo arrancou com cerca de 70 alunos já inscritos.2021-10-04
Passeio Noturno Encenado – “Marcos Históricos - A encruzilhada do Bussaco”2021-09-29
Joaquim Silva e Pedro Pinto foram bronze no Campeonato Nacional de Rampa 2021-09-13
Mortágua tem 4º mural evocativo das Invasões Francesas. Trabalho é da autoria da artista mortaguense Rute Gonzalez. 2021-09-08
Joaquim Silva, da equipaTavfer-Measindot-Mortágua, venceu 1ª Etapa e é Camisola Amarela do GP Jornal de Notícias 2021-09-01


Início | Município | Notícias | Eventos | Turismo | Contactos | Mapa do Site | Política de Privacidade