Bem vindo ao ao www.cm-mortagua.pt


Mensagem do
Presidente


 Menu

 


 Agenda Municipal

 

Edição de
maio de 2017


Versão em PDF


Acompanhe o Município
de Mortágua no Facebook

 


 

Conheça as novidades do Mercado Municipal


 Newsletter
Deseja receber notícias de Mortágua no seu endereço de e-mail?

Subscreva a nossa newsletter.

Clique aqui para se inscrever.


Tomás da Fonseca


Grande escritor, político, mestre e pensador da 1ª República Portuguesa.
(1877 - 1968)

Tomás da Fonseca, natural de Laceiras, freguesia de Pala, concelho de Mortágua, nasceu a 10/03/1877 e faleceu a 12/02/1968. Era filho de Adelino José Tomás e de Rosa Maria da Conceição e pai de Dr. António José Branquinho da Fonseca e Eng.º Tomás Branquinho da Fonseca.

Tomás da Fonseca foi uma personalidade de destaque no meio intelectual e político da sua época. Espírito brilhante e tribuno exímio, desde muito cedo se evidenciou na defesa das ideias liberais e depois do regime republicano. Teve um papel preponderante na geração que fez a República, pelo seu feitio combativo. Era firme e intransigente na defesa das suas ideias, sempre orientado na procura da verdade e da justiça e dono de uma coragem moral que desafiou todas as vicissitudes.

Foi um lutador pela integração social do Homem e defensor intransigente dos direitos daqueles que labutam duramente.

Tomás da Fonseca foi um homem de acção, organizador e animador de inúmeras associações de carácter cultural, social, económico e político, sendo uma figura de grande relevo na campanha intensa e acidentada que precedeu a proclamação da República Portuguesa em 1910. Como deputado marcou sempre presença nos grandes actos dos primeiros tempos do novo regime.

Em 1910 foi chefe de gabinete do Ministro do Fomento, Dr. António Luís Gomes e em 1916 eleito senador pelo distrito de Viseu.

Em 1918, por se opor à ditadura de Sidónio Pais, é preso durante dois meses. Volta a ser preso em 30 de Novembro de 1928, em Coimbra, por ter participado no movimento revolucionário de 20 de Julho. Pertenceu ao Movimento da Unidade Democrática e à Maçonaria. Feroz opositor do regime ditatorial, foi perseguido pelas suas ideias políticas e os seus livros alvo de censura e proibição. Por várias ocasiões a PIDE deslocou-se à sua residência e às gráficas onde os livros eram impressos para os confiscar. Os seus movimentos eram constantemente vigiados, incluindo das pessoas e amigos, mortaguenses e não só, que com ele mais privavam.

Denunciou as condições prisionais do regime, o que lhe valeu a prisão em 8 de Maio de 1947, por ter protestado contra a existência do Campo de Concentração do Tarrafal, nas ilhas de Cabo Verde. Uma semana antes, no dia 2 de Maio, tinham sido já presos outros dois mortaguenses, acusados também de serem opositores ao regime: Dr. Victor Hugo Marques Miragaia, advogado e Deodato Medeiros Ramos, empregado comercial.
A título de curiosidade, tal era a sua fama de opositor ao regime que até no dia do seu funeral, realizado para o cemitério de Mortágua, a Policia Internacional de Defesa do Estado (PIDE) enviou agentes com a missão de anotar (discretamente) as pessoas e discursos de homenagem dos que ali compareceram ao último adeus.

Era um anti-clerical convicto e assumido, tendo publicado vários livros críticos sobre a Igreja e a Religião. Ficou famosa a sua polémica com João de Deus Ramos sobre o ensino religioso nas escolas.

Como escritor literário, Tomás da Fonseca escreveu dezenas de volumes onde se contam livros de versos, arqueologia e belas artes, a doutrina democrática e a polémica religiosa.

Tomás da Fonseca não só marcou uma posição firme de grande escritor de ideias, como foi também um professor de raros recursos pedagógicos. A sua ligação ao ensino foi um acto contínuo, sendo vogal do Conselho Superior de Instrução Pública, director das Escolas Normais de Lisboa, da Universidade Livre de Coimbra, presidente do Conselho de Arte e Arqueologia da mesma cidade.

Como deputado do Parlamento até 1917, colaborou na reforma do Ensino Primário e Normal. Em 1922 publicou o livro “História da Civilização”, que foi adoptado como livro escolar, a pedido do Ministro da Instrução Pública”. Professor sempre atento e preocupado na formação, realizou inúmeras visitas de estudo a escolas, museus e bibliotecas em países como França, Bélgica e Inglaterra. Foi ainda um dos impulsionadores da construção do Jardim-Escola João de Deus, de Mortágua.

Em 1941, participou em Mortágua na fundação do Círculo de Leitura.

Um grupo de habitantes do concelho ligados aos meios democráticos e republicanos decidem fundar o Círculo de Leitura, uma espécie de biblioteca pública que se estabeleceu na Casa Lobo. O Círculo de Leitura foi criado com o objectivo de manter viva a chama da leitura após o desaparecimento das bibliotecas das Escolas Livres da Irmânia e de Mortágua, com a instalação da ditadura e a consolidação do Estado Novo. Promovia o culto do livro e o gosto da leitura, manifestando preocupação pela elevação do nível cultural dos seus associados, perto de 200.

Os livros eram comprados com o dinheiro resultante do pagamento das quotas e ofertas. O Círculo de Leitura também patrocinava palestras, que se realizavam no Teatro Club. Tomás da Fonseca proferiu ali várias conferências, uma delas em homenagem a Antero de Quental. O Círculo de Leitura manteve-se até 1945.

No Jornalismo destacou-se com artigos ou opiniões publicadas em jornais como: “Mundo”, “Pátria”, “Vanguarda”, “Voz Pública”, “Norte”, “República”, “Povo”, “Batalha”, “Lanterna (Brasil)”, “Espanha Nova”, “Alma Nacional”, “Diabo”, “Prometeu”, “Arquivo Democrático”, de que foi director, “Defesa da Beira” e na revista “Livre Pensamento”.
O seu nome está perpetuado na toponímia de Mortágua (Rua Tomás da Fonseca), onde está instalada a Biblioteca Municipal. O Centro de Formação de Professores de Mortágua tem também o seu nome. Possui junto à Câmara Municipal um busto escultórico em sua memória.

A título póstumo foi-lhe concedida a Ordem da Liberdade (Diário da República, 2ª Série, 12 de Dezembro de 1984).

Bibliografia do Autor:
AGIOLÓGIO RÚSTICO. I. Santos da Minha Terra.
Contos inspirados em figuras da terra natal de Tomás da Fonseca, Mortágua.

ÁGUAS NOVAS. Peça em 4 actos.
Primeira edição da obra, publicada "na esperança de que possam servir de refrigério, tanto aos humildes que têm fome de pão, como aos vencidos com sede de justiça".

ÁGUAS PASSADAS. - Um dos motivos que determinaram o autor "a reunir em volume tão velhos escritos: o de facilitar a acção de futuros investigadores, que encontrarão aqui, brevemente compendiada, a fase mais viva duma luta que tomou, durante anos, o aspecto de temporal desfeito, com que se iam abrindo, varrendo e lavando as praças fortes, quartéis e alfurjas da milícia clerical, neste rincão do Ocidente". Como quase toda a obra do autor, também a edição deste livro foi parcialmente destruída pela polícia política de Salazar.

BANCARROTA.
Exame à escrita das agências divinas. Edição destinada ao Brasil.

OS DESHERDADOS. Com um prefácio de Guerra Junqueiro.
Poesia

FÁTIMA (Cartas ao Cardeal Patriarca de Lisboa).
“Aos setenta e oito anos de provecta idade, em mais um livro de polémica, vazado na candente, mas elevada e escorreita linguagem dos 'Sermões da Montanha', o grande escritor e jornalista português Tomaz da Fonseca prova a vibratilidade de seu espírito e a firmeza de convicções que dele fizeram um crítico severo, à semelhança de Guerra Junqueiro de quem foi contemporâneo e amigo-irmão da exploração dos sentimentos religiosos do seu amado povo”.

FILHA DE LABÃO. Romance.
Primeira edição deste importante romance de Tomás da Fonseca, autor que "...traz a marca inconfundível da terra, dessa terra da Beira camponesa...".

GUERRA JUNQUEIRO.
Como ele escrevia. Considerações sobre o manuscrito de "Os Simples".
Com um retrato de Junqueiro e a transcrição de algumas cartas inéditas.

A IGREJA E O CONDESTÁVEL.
Uma das mais discutidas e procuradas obras do autor, integrada na “Biblioteca de Estudos Livres”

MEMORIAS DUM CHEFE DE GABINETE. Prefácio de Lopes de Oliveira.
Segundo Lopes de Oliveira, encontram-se nesta obra "não só lembranças do seu passado [de Tomás da Fonseca], da sua nobre vida, mas também eloquentes páginas da própria história da República.”

NO RESCALDO DE LOURDES.
Livro polémico como todos os do autor, publicado na Biblioteca de Estudos Livres . Com dois capítulos sobre Fátima: Fátima romaria portuguesa e O equivoco de Fátima.

A PEDIR CHUVA...
Palestra a propósito do uso das orações destinadas à imploração das chuvas em tempo de seca, integrada na «Biblioteca de Fomento Rural» e também na linha de pensamento anticlerical desde sempre manifestada pelo autor.

O PINHEIRO. Palestra aos seus vizinhos da Montanha... 1948.
Interessante publicação de temática actualíssima: a boa utilização das florestas em Portugal.

O SANTO CONDESTAVEL. Alegações do cardeal diabo.
Um dos polémicos estudos históricos de Tomás da Fonseca, dedicado "Á memória dos mártires que a Inquisição queimou nas fogueiras acesas pela Igreja e alimentadas, quase sempre, pela riqueza e descendentes de Nun'Alvares."

 

  • Dor e Vida (poesia) -1900
  • Evangelho de um seminarista – 1903
  • Sermões da Montanha – 1909
  • Cartilha Nova – 1912
  • Origem da Vida – 1912
  • Memórias do cárcere – 1919
  • Musa Pagã – 1921
  • História da Civilização – 1922
  • Cartas Espirituais – A mulher e a Igreja – 1922
  • Ensino laico – 1923
  • As Congregações e o Ensino – 1924
  • Erro de Origem – Transformismos Religiosos – 1925
  • Coimbra (Enciclopédia pela imagem) – 1929
  • Questão Romana (colaboração de Brito Camacho) - 1930
  • O Púlpito e a Lavoura – 1947
  • D. Afonso Henriques e a Fundação da Nacionalidade Portuguesa – 1949
  • A Cotovia - 1951
  • Na cova dos Leões – 1957
  • O Diabo no tempo e no espaço – 1958
  • A Mulher – Chave do céu ou porta do inferno? – 1960
  • Livro de bom humor para alívio de tristes – 1961


    Imprimir Imprimir
  •   

    [ voltar Figuras Ilustres | índice | Direitos de autor reservados]


    Início | Município | Notícias | Eventos | Turismo | Contactos | Mapa do Site