Bem vindo ao ao www.cm-mortagua.pt


Mensagem do
Presidente


 Menu

 


 Agenda Municipal

 

Edição de
setembro de 2017


Versão em PDF


Acompanhe o Município
de Mortágua no Facebook

 


 

Conheça as novidades do Mercado Municipal


 Newsletter
Deseja receber notícias de Mortágua no seu endereço de e-mail?

Subscreva a nossa newsletter.

Clique aqui para se inscrever.


Manuel Ferreira Martins e Abreu


Professor, Administrador do Concelho, Escritor e Político
(1861-1944)

Nasceu na localidade de Pinheiro, freguesia da Marmeleira, a 15 de Dezembro de 1861. Fez a instrução primária na Marmeleira com o professor Francisco Nunes Cordeiro. Com 11 anos vai para o Porto como aprendiz de uma drogaria. Passou por várias casas do Porto até aos 15 anos e aí adquiriu o vício da leitura.

Em 1881 tirou em Coimbra o curso de Magistério Primário. Apesar de ter sido o 1º classificado, não foi nomeado professor oficial por causa das suas convicções republicanas.

Emigrou para o Brasil em 1884. Neste país foi guardalivros, administrador de fazendas de café, proprietário de um armazém de materiais de construção e feroz opositor da escravatura dos negros.

Além disso, exerceu, recorrendo a um livro manuscrito por si, o professorado em 1885, na localidade de São Carlos do Pinhal, Estado de São Paulo.
Em 1888 regressou a Portugal. O seu regresso deveu- se à sua actuação na campanha abolicionista, pois só no Estado de São Paulo havia um milhão de escravos registados como propriedade, que se vendiam, trocavam e até se matavam. A sua estadia em Portugal fê-lo envolver na política local chegando a ser Vereador Municipal, mesmo sem estar inscrito em qualquer partido monárquico. Como homem revoltado contra as injustiças e a favor dos pobres e desprotegidos, era um revolucionário e panfletário inconformado com a mentira, hipocrisia e prepotência do meio social e político em que vivia, combatendo por uma sociedade mais justa e mais perfeita. As suas ideias e intervenções na vida pública local faziam dele uma figura polémica e incómoda ao status quo, ao ponto de ter feito anular uma eleição local e obrigar a uma nova votação.

Participou na revolta do 31 de Janeiro de 1891 na cidade do Porto, na primeira tentativa de implantação da República, tendo sido ferido e preso. Não havendo provas da sua culpabilidade, foi libertado quando ia a caminho do Conselho de Guerra, a bordo da corveta “ Sagres” estacionada no Douro.
Regressou mais tarde ao Brasil, onde se envolveu na política da governação da vila onde vivia, porque segundo dizia, “o seu ideal não permitia tolerar roubos, vigarices e injustiças“. E o resultado dessa luta foi regressar a Portugal no início do séc. XX, depois de ter sido alvejado a tiro, Deixou publicadas as seguintes obras:

“ Coisas de Mortágua” (1890)
“ Provas das Coisas de Mortágua” (1891)
“ Política de Campanário e Justiça d`Aldeia” (1893)
“ Ajuste de Contas” (1894)
“ Pela Civilização do Brasil” (1903)
“ O meu voto nas próximas eleições” (1906)
“ A República da Beira Alta” (1913)
“ Justiça na Beira Alta” (1914)
“ Istória Contemporânea de Mortágua” (1921)

Além destas obras literárias, Martins e Abreu deixou ainda um grande volume de manuscritos que nos contam acontecimentos inéditos e as peripécias da sua vida como Lavrador, Professor, Administrador de Fazendas, Escritor, Jornalista, Autarca e Político.
Faleceu em 7 de fevereiro de 1944, aos 82 anos.

Imprimir Imprimir
  

[ voltar Figuras Ilustres | índice | Direitos de autor reservados]


Início | Município | Notícias | Eventos | Turismo | Contactos | Mapa do Site