Bem vindo ao ao www.cm-mortagua.pt


Mensagem do
Presidente


 Menu

 


 Agenda Municipal

 

Edição de
maio de 2017


Versão em PDF


Acompanhe o Município
de Mortágua no Facebook

 


 

Conheça as novidades do Mercado Municipal


 Newsletter
Deseja receber notícias de Mortágua no seu endereço de e-mail?

Subscreva a nossa newsletter.

Clique aqui para se inscrever.


Almaça

Área: 6.8 Km2
Densidade Populacional em 2001: 14 habitantes/ Km2
Total da População Residente em 2001: 95 habitantes
Total da População Residente em 1991: 118 habitantes
N.º Total de Famílias Clássicas Residentes 2001: 37
N.º Total de Famílias Clássicas Residentes 1991: 40
N.º Total de Alojamentos Familiares 2001: 63
N.º Total de Alojamentos Familiares 1991: 75Almaça

Estrutura Etária da População Residente
População Residente 0-14 anos em 2001: 9 (9,5%)
População Residente 15-24 em 2001: 15 (15,8%)
População Residente 25-64 em 2001: 46 (48,4%)
População Residente 65 + em 2001: 25 (26,3%)

Níveis de Instrução da População Residente
Nenhum Nível de Ensino: 13 (13,7%)
1º Ciclo do Ensino Básico: 45 (47,4%)
2º Ciclo do Ensino Básico: 14 (14,7%)
3º Ciclo do Ensino Básico: 7(7,4%)
Secundário:10 (10,5%)
Médio: 0
Superior: 6 (6,3%)

In CENSOS 2001


Almaça só faz parte do concelho de Mortágua desde 1833, em consequência das reformas administrativas de Mouzinho da Silveira, pois até essa data pertenceu ao concelho de Óvoa, hoje freguesia do concelho de Santa Comba Dão.
Mas a história de Almaça, tal como a de outras terras é muito anterior, embora seja difícil aceder aos documentos. No entanto, um documento escrito em hebraico, cópia do foral datado de 1165 refere que “Maria, filha de Martinho, do Tombo dos Serpas, doou ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra as suas terras de Papízios e Almaça”.
Mais tarde, um outro documento, datado de 1375 um foral elaborado pelo prior do Mosteiro de Santa Cruz, D. Francisco, refere que o dito prior lega (para todo o sempre) a sete homens e suas mulheres (Vicente Martins, Domingos Domingues, João Aires, João Salgado, Gomes Martins, Domingo Gomes e João Francisco), o mosteiro que possui em Almaça e todas as suas terras, com montes, fontes, pasto e rotas.
Em troca darão anualmente ao Mosteiro “diversas partes do grão produzido, de vinho, de linho, alho, cebolas e todos os outros legumes, capões, veados, outros animais e quem tiver besta faz a Coimbra uma carreira por ano para levar as rendas”, assim consta no documento.

In DIÁRIO AS BEIRAS, Suplemento Sinais do Século, Concelho de Mortágua, 9 de Novembro de 2000

Almaça é uma povoação que constitui freguesia e paróquia. O seu nome é de origem árabe.
Situada nas proximidades da Aguieira, tendo por vizinhas terras do concelho de Penacova, esta aldeia ribeirinha com a Ribeira de Mortágua e o Rio Mondego a seus pés foi em tempos terra de pescadores e lavadeiras. No passado, o rio desempenhava um papel de extrema importância no transporte de pessoas e de bens (por exemplo, cavacas, carvão, carqueja, azeite, batatas, etc.) para a cidade de Coimbra.
Refere-nos o ancião da aldeia, José Fernandes Marques, de 91 anos, que nesses tempos “utilizavam-se barcos para passar para o outro lado do rio Mondego”.
Nesse tempo, já lá vão algumas dezenas de anos, o rio era não só uma via de comunicação comum, como o peixe era a base da alimentação e da economia local, confidenciou-nos aquele ancião. “Havia peixe com fartura. Comia-se de todas as maneiras, frito com azeite, cozido com vinho e assado. A carne era mais nos dias de festa”.
O rio oferecia lampreia, enguia, sável, barbo e boga, entre outras espécies. A lampreia era pescada com uma “fisga”, à noite, com o auxílio de um candeeiro. Vendia-se o peixe em Coimbra, em Mortágua, na feira de Vale de Açores e porta a porta.
Com a construção da Barragem da Aguieira, modificaram-se os cursos de água e o modus vivendi das pessoas. Com as águas paradas da Albufeira, algumas das espécies piscícolas desapareceram. A lampreia, por exemplo, pesca-se hoje, em menor quantidade e apenas a jusante da albufeira.
Hoje, o rio deixou também de desempenhar o seu papel de via de comunicação, tendo sido substituído por uma via rápida, o Itinerário Principal N.º 3, que divide a aldeia e marca a sua paisagem. Esta é actualmente uma das principais vias de comunicação do país.
Almaça é a segunda mais pequena freguesia do Concelho em termos geográficos e a primeira em termos populacionais.
Esta freguesia ocupa uma área de 6,8 Km2 e é classificada, segundo a tipologia de áreas urbanas, como área predominantemente rural.
Com um total de 95 habitantes e uma densidade populacional de 14 habitantes por km2 (a mais baixa densidade verificada entre as 10 freguesias), a sua população representa cerca de 0,9% da população residente no Concelho de Mortágua.
Reflexo do fenómeno demográfico que vem atingindo o nosso Concelho, bem como a maioria dos concelhos do interior, esta freguesia tem também vindo a sofrer uma diminuição da população através dos tempos.
Comparando os Censos de 1991 e 2001, verifica-se nesta freguesia uma variação negativa de 19,5% e a uma perda total de 23 efectivos (118 habitantes em 1991 e 95 em 2001).
Esta é uma das freguesias do concelho mais envelhecidas, onde o peso da taxa de natalidade é cada vez menor e a proporção entre jovens e idosos acentua fortemente o peso da população com 65 ou mais anos.
A freguesia de Almaça tem todas as infra-estruturas básicas incluindo saneamento.


Pontos de interesse
Extenso manto de água que circunda a aldeia (Albufeira da Aguieira; Ribeira de Mortágua e Rio Mondego)
Igreja Paroquial construída em 1801
Orago: Santo Isidoro,
Festa Anual em Agosto.


Localidades da Freguesia de Almaça:
- Almaça.

Imprimir Imprimir
  

[ voltar Freguesias | índice | Direitos de autor reservados]


Início | Município | Notícias | Eventos | Turismo | Contactos | Mapa do Site